Filhos: Até onde pode ir a minha proteção?

mães protetorasEstou em mais um dilema pessoal. Ser ou não ser, eis a questão? Como a grande maioria dos pais eu tenho os meus medos e anseios. Medo de não estar fazendo certo, de ser odiada no futuro, de estar protegendo demais a minha filha. Mas não é para isso que servem os pais? Vejo crianças da idade dela (9 anos) soltas, indo sozinhas para escola e brincando até tarde na rua e me pergunto: "onde estão os pais que não cuidam?"


Sempre me senti insegura para ser mãe, havia um medo da responsabilidade de por uma pessoa no mundo e ter que educá-la para ser um bom ser humano. Nesse quesito estou indo bem (assim eu espero). O problema maior é o medo. Pois é, eu com 32 anos admito ter muitos medos. Sei que um dia ela vai sair e nem olhar para trás. Vai estudar longe de casa, ter namorado, trabalhar fora. Sei que vai chegar o dia que ela vai me comunicar que vai sair com as amigas. Mas eu não tenho o direito de mantê-la debaixo da minha asa até que este dia chegue?

Hoje eu não deixei ela ir a um passeio. A professora me chamou de super protetora, mas não é isso que eu devo fazer? Não é o meu dever de mãe amar, cuidar e proteger a minha filha? Ás vezes penso que estou exagerando e então, acontece um fato que me mostra que cuidar dela é uma prevenção e que isso diminui o risco futuro. Algum tempo atrás pensei em deixá-la mais solta, ir até o mercado sozinha ou até mesmo até a escola, foi então que uma menina , um pouco maior que ela, foi atropelada na esquina da minha casa. Me parece um aviso. Outro menino foi atropelado na rua da escola.